Domingo, e mais uma vez me pego refletindo sobre várias coisas ao mesmo tempo... Não é estranho que isso ocorra com certa frequência nas tardes de domingo??? Tipo, não é como se eu não tivesse nada melhor a fazer - aula do curso pra assistir, coisas do trabalho a concluir, colocar a conversa em dia com minha família e amigos, atualizar minha lista de livros, escrever algo decente pro blog...
Talvez seja apenas minha cabeça rebelde me transformando numa procrastinadora sem remédio... Ou talvez esteja cada vez com mais preguiça das pessoas em geral, minha chatice e a delas num nível exacerbado porque o domingo se arrasta e ao mesmo tempo passa tão rápido...


Quando eu era criança, e aprendi a ler, fiquei fascinada pelo mundo das palavras. E desde então leio compulsivamente... Desde os rótulos do meu shampoo até os livros requisitados na época da faculdade (sério, eu leio tudo que cai na minha mão, qualquer coisa que tenha palavras rsrsr). 
Naquela época, como toda criança, eu ficava hipnotizada pelas histórias de contos de fadas e imaginava como seria viver naqueles mundos, onde os personagens começavam a enfrentar a vida e os seus perigos desde a mais tenra idade, e com uma imaginação mais que fértil, me via fazendo parte daquilo tudo, ativamente. Acredito que todo leitor passa por isso, faz parte da magia da leitura, a capacidade de nos levar a conhecer lugares e pessoas, sem sair do lugar, usando apenas a nossa imaginação.
E se alguém decidisse reunir todas as histórias famosas de contos de fadas, em um único enredo? E se todos os nossos personagens favoritos se conhecessem e fizessem parte do mesmo mundo? E se esse alguém fizesse isso de maneira que nós, leitores, fôssemos de alguma forma participantes desse mundo?
Loucura demais???
Para Raphael Draccon não é!!! E sim, ele fez isso com a história de Dragões de Éter, uma trilogia que ganhou fama através de um boca a boca, como pouco se viu nos últimos tempos!!! Eu mesma recebi a indicação de um estranho no trem - eu estava lendo Atlantis, quando percebi um rapaz tentando ver o título, e virei o livro para que ele pudesse anotar, em seguida ele me passou um papel onde estava escrito "Trilogia Dragões de Éter". Confesso que demorei um pouco para adquirir os livros e um pouco mais de tempo ainda pra lê-los. 
O que mais surpreende nessa história, é que o lugar onde ela se passa, Nova Ether, nos recorda a Terra Média de O Senhor dos Anéis, O Reino de Nárnia, ou até mesmo os Reinos de Game of Thrones, mas creiam, é um produto nacional. Simmmm, Raphael é brasileiro!!! Isso torna tudo mais incrível, já que estamos tão acostumados a histórias "importadas"!!!
Preciso confessar que não li ainda o terceiro livro... E por um motivo bem simples, vai haver continuação, e como eu cometi o crime de dar uma olhada em algumas partes da história, sei que muitas coisas precisam ser concretizadas e explicadas. Mas basta saberem que vale a pena, a história tem um ritmo incrível, cheia de reviravoltas e personagens fabulosos, e seria muito difícil descrevê-los em um único post. E o mais importante, essa história fica na nossa mente por dias e dias, como se nós fizéssemos parte de Nova Ether, de forma que Draccon alcança seu objetivo e nossos corações!!!

Título: Dragões de Éter - Caçadores de Bruxas
Autor: Raphael Draccon
Editora: Leya
Ano: 2013
Páginas: 440

Sinopse: Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltam contra as antigas raças. E assim nasce a Era Antiga.
Essa influência e esse temor sobre a humanidade só têm fim quando Primo Branford, o filho de um moleiro, reúne o que são hoje os heróis mais conhecidos do mundo e lidera a histórica e violenta Caçada de Bruxas.
Primo Branford é hoje o Rei de Arzallum, e por 20 anos saboreia, satisfeito, a Paz. Nos últimos anos, entretanto, coisas estranhas começam a acontecer...
Uma menina vê a própria avó ser devorada por um lobo marcado com magia negra. Dois irmãos comem estilhaços de vidro como se fossem passas silvestres e bebem água barrenta como se fosse suco, envolvidos pela magia escura de uma antiga bruxa canibal. O navio do mercenário mais sanguinário do mundo, o mesmo que acreditavam já estar morto e esquecido, retorna dos mares com um obscuro e ainda pior sucessor. E duas sociedades criminosas entram em guerra, dando início a uma intriga que irá mexer em profundos e tristes mistérios da família real.
E mudará o mundo.

Título: Dragões de Éter - Corações de Neve
Autor: Raphael Draccon
Editora: Leya
Ano: 2013

Páginas: 495

Sinopse: Nova Ether é um mundo protegido por poderosos avatares em forma de fadas-amazonas. Um dia, porém, cansadas das falhas dos seres racionais, algumas delas se voltaram contra as antigas raças. E assim nasceu a Era Antiga. Hoje, Arzallum, o Maior dos Reinos, tem um novo rei, e a esperada Era Nova se inicia.
Entretanto, coisas estranhas continuam a acontecer... Uma adolescente desenvolve uma iniciação mística proibida, despertando dons extraordinários que tocam nos dois lados da vida. Dois irmãos descobrem uma ligação de família com antigos laços de magia negra, que lhes são cobrados. Duas antigas sociedades secretas que deveriam estar exterminadas renascem como uma única, extremamente furiosa.
Após duas décadas preso e prestes a completar 40 anos, um ex-prisioneiro reconhecido mundialmente pelas ideias de rebeldia e divisão justa dos bens roubados de ricos entre pobres é libertado, desenterrando velhas feridas, ressentimentos entre monarcas e canções de guerra perigosas. 
O último príncipe de Arzallum resgata sombrios segredos familiares e enfrenta o torneio de pugilismo mais famoso do mundo, despertando na jornada poderosas forças malignas e benignas além de seu controle e compreensão.
E a tecnologia do Oriente chega de maneira devastadora ao Grande Paço, dando início a um processo que irá unir magia e ciência, modificando todo o conhecimento científico que o Ocidente imaginava possuir.
E o mundo mudará. Mais uma vez. 


Oiiiiii!!! Finalmente voltei!
E pra recuperar o tempo perdido, já vem uma dica super linda! Em homenagem ao Dia Internacional das Mulheres (que foi ontem!!!), vou falar sobre A Cidade do Sol de Khaled Hosseini, o médico-escritor afegão que dominou o mundo com apenas 3 livros XD. Uma história sobre o poder de sobrevivência das mulheres, independente das circunstâncias...

Sabe aqueles livros que você demora um tempão pra se decidir a ler, e quando o faz se arrepende de não ter lido antes? Pois A Cidade do Sol é um desses. Há alguns anos Khaled Hosseini se destacou com seu romance de estreia, O Caçador de Pipas (o qual ainda não li, pra minha vergonha eterna!) e levou o mundo inteiro a olhar de maneira diferente para o Afeganistão.
Nesta outra história, ele não deixa por menos. Suas protagonistas são mulheres diferentes entre si, mas que tem em comum a coragem de enfrentar seu destino. 
Mariam, nascida de uma relação com um homem importante e casado com outras 3 mulheres, não teve em sua infância exemplos sinceros de amor do pai (a meu ver, um homem fraco), nem o carinho do colo da mãe (sua mãe a amava sim, mas o sofrimento a que foi submetida após a gravidez, distorceu sua visão do amor e a impediu de demonstrar à Mariam o amor que lhe dedicava). Após um casamento arranjado às pressas, para que não fosse um problema às esposas do pai, ela se muda para Cabul e de início parece que ela finalmente vai ter um pouco de carinho e tranquilidade em sua vida. Isso só dura até ela e o marido descobrirem que por mais que tentassem, ela não conseguia sustentar uma gravidez. 
Laila, ao contrário, teve uma infância repleta de amor dos pais e dos irmãos, e cedo descobriu o poder de encontrar sua alma gêmea (um pouco piegas, eu sei, mas é verdade rsrs). Mas assim como em todos os outros lugares que passaram por isso, a guerra afetou primeiramente aos afegãos, e Laila, por um acaso (ou proteção) do destino, se viu sozinha no mundo, antes de se tornar adulta. 
A partir desse momento as vidas das duas se encontram e se entrelaçam de forma que juntas tentam sobreviver ao caos que se instalou em suas vidas e na vida do povo afegão, ainda que no início elas não consigam se entender, nem entender a si mesmas.
Hosseini, através da história dessas mulheres nos conta um pouco sobre o que foi e o que é, ser mulher no Afeganistão. Um país assolado por uma guerra que parece nunca terminar, mas ainda assim repleto de uma bela história e de pessoas que apesar de todo o sofrimento que lhes é imposto (pelo governo, religião ou supostos heróis), não perdem a esperança de um futuro melhor. Mesmo que esse futuro se resuma ao dia seguinte apenas.
Um livro fascinante, não tem outra palavra!!!

Título: A Cidade do Sol
Autor: Khaled Hosseini
Editora: Nova Fronteira
Ano: 2007
Páginas: 368

Sinopse: Mariam tem 33 anos. Sua mãe morreu quando ela tinha 15 anos e Jalil, o homem que deveria ser seu pai, a deu em casamento a Rashid, um sapateiro de 45 anos. Ela sempre soube que seu destino era servir seu marido e dar-lhe muitos filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Laila tem 15 anos. É filha de um professor que sempre lhe diz: "Você pode ser tudo o que quiser." Ela vai à escola todos os dias, é considerada uma das melhores alunas do colégio e sempre soube que seu destino era muito maior do que casar e ter filhos. Mas as pessoas não controlam seus destinos. Confrontadas pela História, o que parecia impossível acontece: Mariam e Laila se encontram, absolutamente sós. E a partir desse momento, embora a História continue a decidir os destinos, uma outra história começa a ser contada, aquela que ensina que todos nós fazemos parte do "todo humano", somos iguais na diferença, com nossos pensamentos, sentimentos e mistérios.



Trechos

*Deveras, gosto de fazer essas coisas. Pegar a vida e fazer com a vida outras tantas vidas, fazendo de conta que a vida é diferente. Penso que, com isso, até melhoramos um pouquinho a vida. Aprendemos a melhorar a vida. E até melhoramos um pouquinho cada um de nós*

José Arrabal
Tecnologia do Blogger.

Afinidades

Google+ Followers